Simão Pedro

Governo do Estado promete editais para obras viárias em Itaquera no mês de outubro. Outros projetos poderão sair do papel

Publicado em: 04 de outubro de 2011

Morador durante 31 anos do Conjunto Habitacional Itaquera I ao lado do futuro estádio do Corinthians, na Zona Leste da capital paulista há 38 anos, deputado mais votado no bairro de Itaquera nas últimas 3 eleições, Simão Pedro encaminhou ofícios aos governos municipal e estadual solicitando informações sobre as obras viárias projetadas para o entorno do Itaquerão. A Secretaria de Planejamento do Estado, que abriga o Comitê Paulista da Copa 2014 e a Secretaria Municipal-Especial para a Copa 2014 responderam os ofícios do deputado.

Segundo as autoridades, serão construídas cinco obras viárias nas imediações do futuro estádio e todas devem ter o processo de licitação iniciado no mês de outubro com a pré-qualificação das empresas. As propostas técnicas deverão ser entregues pelas empresas qualificadas até o início do próximo ano para, a partir daí, serem lançados os editais de licitação. A previsão, tanto da prefeitura quanto do estado é de que os projetos fiquem prontos até julho de 2013.

O governo do Estado e Prefeitura assinaram, em abril passado, um convênio onde se prevê que o primeiro investirá R$ 346 milhões, através da DERSA. A Prefeitura investirá outros R$ 132 milhões. Do total, R$ 162 milhões serão investidos na elaboração de projetos e pagamento de desapropriações entre outros custos.

Serão construídas duas novas avenidas em Itaquera: uma que ligará a Avenida Itaquera com a Radial Leste (Av. José Pinheiros Borges), passando por trás da Cohab I ao custo projetado de R$ 127 milhões. A outra avenida ligará esta nova avenida com a Avenida Miguel Inácio Curi e custará  R$ 22 milhões. Também será construída uma passagem em desnível na Radial Leste em frente à Estação Itaquera do Metrô pelo valor de R$ 68 milhões. Outra obra é a de adequação viária no cruzamento da Avenida Miguel Inácio Curi com a Avenida Adervan Machado ao custo estimado de R$ 5 milhões. A construção de alças de acesso de ligação da Avenida Jacú-Pêssego com a Radial Leste, no centro de Itaquera, deverá custar outros R$ 94 milhões.

Polo institucional

Além das obras viárias, também já foram anunciadas várias instalações públicas para o entorno da estação Itaquera-Corinthians e próximas ao futuro estádio. Uma Faculdade de Tecnologia (FATEC) e uma Escola Técnica Estadual de nível médio (ETE)  já estão sendo construídas. Além delas estão previstos uma unidade do SENAI, um batalhão da Polícia Militar, a sede do Fórum de Itaquera e uma rodoviária, além de espaço para a Obra Social Dom Bosco.

Incentivos Fiscais

Em 27 de setembro último, na sede da Associação Comercial de São Paulo, a Prefeitura de lançou edital que permitirá às empresas interessadas em investir na Região Leste receberem de volta parte dos recursos aplicados. São benefícios fiscais para atividades que gerem empregos nas proximidades do futuro estádio do Corinthians. Com isso, o prefeito Kassab tenta reagir à uma saraivada de críticas que sua gestão recebeu pelos incentivos fiscais aprovados de cerca de R$ 420 milhões, para a construção do estádio.

Pela proposta apresentada, também haverá redução de impostos municipais na compra do imóvel e do material de construção investido na obra, além de abatimento dos impostos a serem pagos em um período de até 10 anos. A prefeitura prevê investimentos de até R$ 50 milhões no projeto, beneficiando total ou parcialmente os distritos de São Miguel, Jacuí, Lageado, Itaquera, Cidade Líder, Parque do Carmo, José Bonifácio, Guaianases, Cidade Tiradentes, São Mateus, Iguatemi e São Rafael.

Radial Leste

Em janeiro deste ano, a Prefeitura de São Paulo anunciou com estardalhaço a conclusão da licitação para “prolongamento da Av. Radial Leste de Artur Alvim até Guaianases”. Na verdade, a Avenida já foi prolongada na gestão da prefeita Marta Suplicy e contou com a presença do então presidente da República Luiz Inácio Lula da Silva na sua inauguração e fazia parte do Plano de Desenvolvimento Econômico da Zona Leste lançado pela então prefeita. A nova obra anunciada por Kassab no valor de R$ 131 milhões e vencida pelo Consórcio Pontal Leste, liderado pela construtora OAS, prevê, segundo a Secretaria Municipal de Infraestrutura Urbana – SIURB a construção de viadutos, alargamento de um trecho da pista, canalização do córrego Verde no centro de Itaquera e construção de pontilhões em Guaianases. O contrato deveria ter sido assinado no mês seguinte e o Consórcio com prazo de 2 anos para sua conclusão, ou seja, antes da Copa.

Segundo o que foi anunciado, as obras prevêem 3,5 km de novas pistas com dois viadutos  em Guaianases com 350 de extensão cada um (ligando a Av. Nova Radial com a Rua Salvador Gianetti), uma terceira faixa de 350 metros em trecho paralelo à rua Damásio Pinto), dois pontilhões (rua Vitória Dias com a rua Benedito Leite e a rua Quinta de São Miguel) e uma ligação entre o bairro da Penha e a Estação Artur Alvim do Metrô, além da canalização de dois trechos do Rio Verde (da rua Campanela à rua Tomaso Ferrara e desta à Avenida Líder). A obra conta ainda com uma alça de acesso à rua Monsenhor Agnelo, uma passagem inferior ligando a rua Inajar Guaçú à rua Porto Amazonas – que servirá de ligação entre os bairros de São Miguel e Itaquera, além da ligação entre a rua Itinguçú à rua José Giordano, entre a Vila Ré e a estação Artur Alvim do Metrô.

Projetos vem com anos de atraso

Para o deputado Simão Pedro, os projetos são bons e foram elaborados no governo Marta Suplicy (PT) mas paralisados pelas gestões Serra/Kassab e lamenta que só agora, na esteira da construção do estádio para a Copa, Kassab pretende retomá-los. “Antes tarde do que nunca”, pronunciou-se o deputado na Tribuna da Assembleia.

Segundo ele, as obras complementares da Nova Radial Leste até Guaianases já estavam previstas e faziam parte do plano de obras da campanha de reeleição da petista em 2004. Serra só deu continuidade ao túnel depois da estação Itaquera porque já tinha sido licitado, a empresa contratada e o dinheiro já estava liberado. Então, são quase 7 anos de atraso.

Em 2003, o governo petista lançou um Plano de Desenvolvimento Econômico e Social para a Zona Leste que previa, além de obras viárias, a criação de uma universidade municipal – cuja primeira parte seriam abrigados no prédio construído em Cidade Tiradentes com cursos na área de saúde pública – e a Operação Urbana Jacú-Pêssego, com concessão de incentivos fiscais para as empresas que se instalassem na região da avenida que corta a Zona Leste. Para isso, uma Lei de autoria dos deputados Simão Pedro, Zico Prado e Cândido Vaccarezza foi aprovada na Assembleia Legislativa, ampliando a área do Pólo Industrial de Itaquera. Ambos o projetos foram abandonados pelo prefeito eleito em 2004, José Serra que disse, logo que tomou posse, que não daria continuidade ao Plano de Desenvolvimento “porque ele não existia”.

Leia também:

Deixe uma resposta